sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

FOTOPOESIA


Fotopoesia
O sol em algum lugar
Derramando o brilho nas janelas
Desacortinadas...

Minha mente também é uma janela
às vezes emperra...
às vezes se abre...

E o vento nela
Me traz um alento
Um infinito pra fora...
Outro infinito pra dentro

***

A chuva na vidraça
Leva a água de volta ao chão
E a foto, como a poesia, nunca é em vão
Elas
Tanto uma como a outra
São a alma do papel

É a oportunidade
de vermos
que existe vida após o clic.

Um comentário:

fernandatomiello disse...

pô Duda.. Adoro as "coisas" que tu ecreves! abraço querido!