sábado, 27 de março de 2010

PIUÍ


Somos todos passageiros de uma rápida viagem... por isso não importa o que dizem os deuses... os deuses existem por causa dos homens. Sem eles, viveriam (sozinhos e felizes) no seu imenso vazio.
Não importa a política que crês... tuas ideologias: é tudo tão fugaz... efêmero...
Não importa o que comes ou escreves... não importa nada, nada chega ao fim da estrada... tudo se transmuta no caminho interminável... os elos da corrente se sucedem... as unidades se extinguem, mas o todo segue em pé, se funde, ebule, vira pó... mas até o pó segue sendo a coisa...
Só o que importa é a forma com que lidas com teu amor e medo... é isso que define se o que virá é brasa ou cinza.

***

A vida é um trem daonde os mortos descem.

ULTRA-REALISMO


Max Ferguson e Addam Sttennet são dois nomes do ultra-realismo moderno. O ultra-realismo é uma técnica de pintura que se firmou na Renascença para retratar anjos e demônios, mitos e seres com uma convincente realidade, séculos antes da invenção da máquina digital e do Photoshop.
Ao ver uma obra do ultra-realismo, fico boquiaberto pela perfeição e detalhes, pormenorizados na ponta de um simples pincel, controlado, por sua vez, por um gênio nem tão simples assim.

***

E eu ainda não sei se sou o que eu penso que eu sou; ou se sou o que pensam que eu sou; ou se as duas coisas somadas é o que sou... até o nome que eu uso não fui eu quem escolheu e minhas circunstâncias são, todo dia, diferentes.
Sou uma pintura ultra-real da minha momentânea mente...

sexta-feira, 26 de março de 2010

BEBÊ DE PROVETA


Dr. Howard Jones Jr., cirurgião americano que criou a técnica in vitro de inseminação artificial e ajudou na "confecção" do primeiro bebê de proveta dos EUA, disse que "a reprodução humana é um processo ineficiente", pois apenas 20% dos encontros entre óvulo e esperma resultam em óvulo fertilizado com potencial de gestação.
Isto significa que a regra é não emprenhar, e o anormal é a gravidez. Segundo ele, o processo natural está ficando ultrapassado.

***

Pode ficar ultrapassado, mas eu quero seguir o modelo antigo sempre.

***

Aí o colono foi consultar e, papo-vai, papo-vem, o doutor comentou com ele que sua moderna e prática medicina alopática tinha criado o tal "bebê de proveta". O colono reagiu:
Como ansim vosmecês criaram? Se eu, eu mes, já tenho dois fio que nasceram de proveta...
O médico se surpreendeu: Como assim, seu Genuíno? O senhor tem dois filhos de proveta?
Craro! A muié tava tomano banho e dexô caí o sabão no chão. Aí quano ela se agaxa pra pegá o sabão eu chego por trais e proveto.

A FANTÁSTICA SAPATARIA DE BUSCHO


O texano e ex-presidente yankee George W. Buscho esteve em visita ao Haiti, acompanhado de Bill Clítoris, também ex-presidente americano. Foram, sem dúvida, em uma visita de marketing internacional, num péssimo teatro faz-de-conta, com o tradicional roteiro em que os EUA aparecem como a salvação do mundo.

***

O Superman tem um pentágono no peito e pode tudo usando sua roupa azul, vermelha e branca, sob o pretexto de saber o que é melhor pro planeta... Mas o Superman caiu do cavalo e se ralou, pois seu pentágono não era tão forte assim... Agora chegou a vez do seu papai, o velho Sam, cair também de seu velho pangaré, outrora formoso...

***

O fato é que o Buscho, após cumprimentar um haitiano, limpou sua mão na camisa do Clítoris, fato registrado por uma câmera indiscreta, e que deixou seu amigo Bill meio sem jeito... Ora bolas, Buscho, precisava deixar tão claro o asco que vocês têm pelo submundo econômico? Ou será que a pele negra lhe incomoda o tato?
Se cada pessoa violentada pela política estadosunidense jogasse um sapato em Buscho, o Texas seria uma gigantesca sapataria...

***

Aquela branquela mão sujou muito mais a Terra...

quinta-feira, 25 de março de 2010

CAÇA CAÇADORA


Um caçador se ferrou na África do Sul ao entrar, ilegalmente, com dois companheiros, numa reserva florestal, para ver se suas armadilhas (também ilegais) haviam capturado algum animal. Só que um bando de hipopótamos se rebelou e deu cagaço geral no trio, que fugiu, separadamente, cada um por si e os hipopótamos por todos. Dois sujeitos conseguiram sair do parque, mas o terceiro acabou encontrando um grupo de leões, que o devorou. O caçador virou caça, que legal. Encontraram só o crânio e as roupas dele, de certo porque os leoninos não devem curtir cabeça (só na sopa) e as roupas não lhes serviram...

***

O fato é que, se você se perder com amigos numa reserva florestal e estiver próximo de um ataque de leões, você não se preocupe com os felinos... É certo que eles são muito mais fortes e ágeis e correm muito mais que você... é certo! Mas você não precisa correr mais que um leão: basta ser mais rápido que um amigo.

JAH I


Tranluzentes andam mais como leões que como cordeiros.
A solidão e a individualidade os ensinam.
A multidão não sabe pra onde vai... Ela anda junto e isso nos faz pensar que ela sabe para onde está indo, mas a multidão não sabe.
A multidão não sabe nada de si... ela não pode me ensinar quem sou... ela pode apenas me mostrar muito do que eu não quero ser.

quarta-feira, 24 de março de 2010

CONJECTURA DE POINCARÉ


A conjectura de Poincaré afirma que qualquer variedade tridimensional fechada e com grupo fundamental trivial é homeomorfa a uma esfera tridimensional. Ou seja, num espaço com três dimensões fechado, sem "buracos" deve ter a forma de uma esfera.
Barbadinha.

***

É que o russo Grigory Perelman, que decifrou a conjectura, se negou a receber U$ 1 milhão do Instituto Clay pelo desafio. Em agosto de 2006, ele não foi receber a Medalha Fields, condecoração equivalente ao Nobel para os matemáticos, e disse, através da porta fechada, que já tinha tudo o que queria.

***

São decisões estranhas, mas perfeitamente entendíveis. O amor suplanta o valor. Isso me faz lembrar da história do gaúcho, que chegou num bar e viu um cartaz que dizia:

Água - R$ 1,00
Canha - R$ 1,50
Pastel - R$ 2,00
Sanduíche de frango - R$ 3,00
Carinho nos órgãos sexuais - R$ 5,00


Ali ele falou pra atendente, depois de revisar a carteira e ver que não lhe faltaria dinheiro.

Moça... é a senhorita mes que faz carinho nos órgão sexual?
Ela respondeu, com voz de tigreza:
Sim, gauchão... sou eu mesma.
Então lava bem as mão e me frita um pastel!

MORAL DA HISTÓRIA: A lógica nem sempre é lógica.

PECADOS

domingo, 21 de março de 2010

AMOR E MEDO


Eu pergunto pro cara qual o contrárioo de amor... tem 4 letras e termina com O. Ele sempre responde que é o ódio. Todo mundo responde, afinal, a gente vem aprendendo assim há décadas. Contudo, creio que o oposto perfeito do amor não seja o ódio, pois o ódio é um sentimento criado racionalmente... ele não é inato, como o amor. O ódio é o caldo de um sopão feito de cobiça, vingança, competitividade e vaidade. O ódio é criado pela mente... o amor vem de fábrica, é a matéria-prima das almas.

***

O contrário exato do amor é o medo... É o medo quem estimula as sensações que impedem o fluxo da positividade. É no medo que surgem as diferenças, o preconceito, os dogmas... as limitações. O medo expõe a dúvida, que leva ao fracasso. O medo, mesmo que integre todos os caráteres, é o ponto da vírgula do bem...

***

Quem tem amor, não tem medo.

É TER


A vida, breve vida,
tão breve quanto um nome na areia...
tão curta quanto um beijo no sol...

Nem me dá, ao ver a revoada de pássaros,
vontade de pensar no fim
pois o fim me quer é de surpresa,
de sobressalto...
fingindo não ser o recomeço,
do outro lado do espelho...

Que o pior do fim não é ter que morrer...
O que mais me dói é ter que deixar de viver...

sexta-feira, 19 de março de 2010

O DANÇARINO


Nilso era o nome dele. O nome real dele, embora O Dançarino, como era conhecido, nunca havia antes necessitado de um nome específico... Sua função era chegar, sempre, cotidianamente, às 13h30min, na frente da loja de tecidos e dançar com sua boneca Flora (nome dado por ele em homenagem à tia) músicas mecânicas do tipo que o povo gosta.

[O gerente comercial do empório gostava também... Achava bonitinho o cara que dançava com a boneca, além do mais, atraía o público que passava zumbi pelas calçadas do comércio. Por isso, Nilso, ou O Dançarino, tinha salário fixo e carteira assinada.

O fato é que Nilso, quando não estava O Dançarino, tinha uma vida pacata na vila em que morava. Era casado há 12 anos com a Filomena e, da mesma forma com que o tempo muda tudo, mudara também o sentimento entre os dois. Mudara mesmo, este tal de tempo, ao ponto de que Filomena começou a ficar irritadiça pelo comportamento de Nilso para com a boneca Flora. É que depois do emprego, Nilso dava atenção exagerada à boneca... Todo dia pequenos retoques em sua vestimenta, costurada à mão, com devoção e capricho que sua mãe ensinara... Buscava em catálogos e brechós alguns adereços pra Flora... perucas, meias e saiotes... e a presenteava com perfumes de plantas diversas. Mais: Nilso passou a aparar a barba diariamente, coisa que não fazia desde a época do quartel, e a se arrumar meticulosamente, do penteado ao sapato de courvim. Tudo para Flora... Tudo...
Filomena começou a se sentir escanteada, esquecida, mal-amada. Era como se fosse a serviçal e Flora, a flor dos olhos de Nilso. Era como se a outra virasse a uma, e a uma virasse o nada.
Maquiavel que se vire no caixão, pois toda pressão gera uma revolução. Então certo dia, num descuido de Nilso, que saíra para beber com amigos, Filomena ficou sozinha com Flora em casa e partiu para a agressão... a temível agressão que uma faca de cozinha e uma mulher, gorda e brava, podem acometer a sua acossada vítima. Imóvel, Flora não esboçou resistência.
Quando chegara de manhã, Nilso encontrou sua parceira de dança estripada e decaptada no carpete da sala.

***

Dias de silêncio, Nilso, magoado, sequer conversava com Filomena. Aquela atitude o feriu tão fundo no peito que seu perdão ficou atravessado na garganta, como um caroço de abacate no seu glote.
Numa tarde de sábado, voltando do supermercado, Filomena encontrou Nilso com outra... boneca. Tamara! Muito mais linda e cheirosa que Flora, ela estava lá... imponente... sentada no sofá, com duas malas a seus pés. Neste instante de questionamento, Filomena ainda nem havia largado as sacolas de compra, Nilso saiu do banheiro. Banho tomado, barba feita, perfume e calça de linho. Passou rapidamente o pente de bolso no cabelo preto, encarou Filomena e disse:
Essa é Tamara... E estamos indo embora.

quinta-feira, 18 de março de 2010

ASSASSINOS, GRAÇAS A DEUS


“A fim de tornar vossos pecados contra os índios conhecidos a vós mesmos, subi a este púlpito, eu que sou uma voz de Cristo clamando no ermo desta ilha, e, portanto, cumpre-vos escutar, e de todos os vossos sentidos, afim de que ouvísseis; porque esta será a voz mais estranha que já ouvistes; a mais severa e dura e mais terrível e mais perigosa que já esperáveis ouvir...Esta voz diz que estais em pecado mortal, que viveis e morreis nele por causa da crueldade e tirania que exerceis nos vossos tratos com estas pessoas inocentes. Dizei-me: com que direito ou justiça mantendes estes índios em servidão tão cruel e horrível? Com que autoridade travastes uma guerra detestável contra estas pessoas, que habitam com quietude e paz na sua própria terra?... Porque os mantendes tão oprimidos e cansados, sem lhes dar o bastante para comer, nem cuidar deles nas suas enfermidades? Porque com o trabalho excessivo que exigis deles, adoecem e morrem, ou, na realidade, vós os matais com vosso desejo de extrair e adquirir ouro todos os dias. E quais cuidados tomais a fim de que sejam instruídos na religião?... Não estais obrigados a amá-los como amais a vós mesmos?... Tende certeza de que, neste estado, não podeis ser salvos mais do que os mouros ou os turcos”. (Hanke, 1965, p.17).

Frei Bartolomé de las Casas, em discurso contra as práticas colonizadoras na América.

PONTE NECESSÁRIA


O cara me disse que um trapiche não leva a lugar nenhum, pois finda logo ali. Outro completou: Ainda mais este, do Laranjal, que tá todo quebrado.
Ora bolas... a gente viaja é com a mente... Meu pensamento cai de pára-quedas em todos lugares, encontra quem quero, saboreia tudo... Não se precisa pisar nas madeiras do trapiche... basta vê-lo e os significados brotam.

***

A ponte que temos que cruzar é a que leva do velho para o novo. Mas se todas as pontes levam do velho ao novo, de alguma maneira, então necessário é repararmos na beleza do percurso.



Foto: Nauro Júnior

quarta-feira, 17 de março de 2010

TUT E A MORTE


Tutankhamon era tido como o Faraó Menino, pois assumiu o trono com apenas 9 anos de idade, reinou até sua morte, aos 19, e, mesmo neste período curto, ficou conhecido como um dos mais importantes do Egito antigo. Ele restabeleceu o culto aos deuses e os previlégios do clero, a marca mais intensa de sua 13ª dinastia.
Em torno da abertura de sua tumba corriam relatos de uma maldição que teria vitimado uma série de pessoas ligadas a Howard Carter, seu descobridor, incluindo seu cusco inglês e seu canário belga, comido por uma serpente, animal mitológico que, reza lendas, protegia os reis.

***

O fato é que pesquisadores descobriram, há pouco, que o Faraó Menino, além de ter cara de moça e um cucuruto na cabeça, morrera vítima de uma malária... Quem diria... o líder máximo de uma civilização avançadíssima, o gênio precoce, mui poderoso, capaz de lançar maldições milênios após a sua morte, fora vítima de uma torpe malária... deu febrinha, passou mal, vomitou, tonteou, foi pra cama, ficou com os olhos de louco e caput: foi pra banha. Certamente recebera aquele belo túmulo cheio de jóias e sinificados, conforme sua imponência e importância... mas a morte ninguém engana... nem Tut nem o Zé da esquina.

***

Eu conheci um índio que teve malária 34 vezes e resistiu a todas. Mas morreu afogado no rio Negro.

***

A morte é a única coisa que não morre.

terça-feira, 16 de março de 2010

ARÃO E A MOEDA DE PRATA


Artur Arão terminava a derradeira cachaça daquele longo dia, enquanto a madrugada comia a noite, que comera o dia, que abrangia todos os lugares, inclusive aquela pensão malogra. Repentinamente, entre os uivos do vento na janela, escutou passos se aproximando pelo lado leste... mas, diferente do costume, aqueles passos não tinham cheiro de gendarmes ou brigadianos, que o perseguiam Missões afora.
Calçou a garrucha e, com suspiros diminutos, espiou entre as frestas de pinus do velho quarto dos fundos. Viu, conforme as falácias dos antigos, o fantasma do gaúcho que matara em Giruá, que se aproximou e cuspiu no seu copo de canha.
Artur sabia, como sabem os matadores, que fantasmas gostam de vingança. Mas aquele, especificamente, tinha algo que o incomodara: o olhar de ira. Artur Arão lembrou do mito que diz que quando enterrada uma vítima de homicídio, se os seus desejarem vingança, o sepultarão de bruços, com uma moeda de prata dentro da boca. Desta forma, a alma penada perseguirá seu assassino para sempre...

***

Arão foi à cova de seu inimigo. Na calada da noite, escondeu o cavalo e seguiu a pé, para não chamar a atenção das milícias que queriam sua cabeça numa bandeja. Depois de encontrar o sepulcro, cavou e, como de suspeita, encontrou o morto de bruços, com uma moeda de prata na boca. Desvirou o corpo e sacou a prata dentre sua dentição...
O fantasma nunca mais apareceu e a moeda lhe rendera dez vezes mais cachaça do que a cuspida pelo espírito malacara.

***

Arão só tinha medo de uma coisa: da eternidade.

segunda-feira, 15 de março de 2010

NOSSO CARO NINHO


Pai... passarinho mora no ninho?
Sim Johan.
Todos ou só um?
Todos... mas tem uns que dormem nas árvores assim... ronc, fiuuu... ronc, fiuuu... Aí de manhã cedinho eles acordam... piu piu... e saem pra comer frutinhas.
E por que a gente não mora no ninho pra sair cedinho comer frutinha?
Porque a gente precisa ganhar dinheiro.
Dinheiro pra comprar picolé?
E frutinhas filho... e frutinhas.

domingo, 14 de março de 2010

TALVEZ AQUI


As gerações escalam a escadaria dos dias, se sobrepõem, se ultrapassam... Os horizontes ficam sempre diferentes... Paralelamente a isso, as vidas acontecem ao olhar de cada um... a cada cabeça uma sentença e um milhão de escolhas dentro de nosso limitadíssimo livre-arbítrio.
As estradas se desdobram, se repetem... vejo coisas reacontecendo enquanto o tempo passa e não sei qual direção é a direção da frente, se é o passado ou se é o presente, e percebo que nem eu sou mais o mesmo.
Noutra esquina, outro eu.

***

Acontece que há estrelas que morreram há milhares de anos e ainda hoje podemos ver a sua luz, tamanha sua distância. É que talvez agora, aqui, nós, também, estejamos todos mortos.

DEUS E AS ALMAS


A evolução nos direciona para o vazio, para o zero... é lá que encontramos deus, que nos absorve e nos torna o nada, o um junto a ele. É lá, no vazio, que encontramos a completude, onde não se precisa de nome nem conceitos... onde entendemos o engano da matéria, onde nada importa, exceto ser; afora a dimensionalidade inteira, que abrange o tudo e que não tem imagem nem medida.
Na outra ponta da infinita corda, estamos, no agora, nós e todos os outros seres vivos. Ter matéria, a imperfeição das medidas físicas, é estar no mundo das ilusões fugazes; é viver o que se tem sem entender que o que se tem é nada, é passageiro, não pertence a ninguém... É ter nome, sendo que deus nem de nome (e oração) precisa. É estar no fim da fila, mas a fila é boa... é linda.

***

Deus faz as almas para comê-las.

***

As almas existem para serem deus.

sábado, 13 de março de 2010

O PALAVRÃO


Foi-se o tempo em que palavrão era sinônimo de pejorativismo vocabulário, de ofensa e ira... não que os moleques de sardas, as jovens pestes e as crianças endiabradas deixaram de ir para as ruas aprenderem estes jargões e neologismos bagaceiras, por assim dizer... é que a língua portuguesa tem apresentado...
Pneumoultramicroscopicossilicovulcanoconiótico, 49 letras, é a maior palavra do idioma português e que significa "pessoa acometida por uma doença pulmonar causada pela aspiração de cinzas vulcânicas". Aí imagino eu... o cara lá, escalando um baita vulcão, respira aquela fumaça venenosa e adoece. Então, encontra um amigo que diz: Pô meu, tu anda meio amarelo... O que tu tens? O cara responde: "É que eu estou com pneumoultramicroscopicossilicovulcanoconiose!"
Com o quê?
Com uma porra do caralho duma figa duma doença de merda. Respirei uma fodida duma bosta dum cacete duma fumaça filha da puta e fiquei com essa merda dessa porra dessa buceta dessa infecção do caralho nesses pulmões do diabo!

MORAL DA HISTÓRIA: Palavrão vai ser sempre palavrão.

O AMOR É O MELHOR CAMINHO


Ame bem... não importa quem.

segunda-feira, 8 de março de 2010

ATACADO POR CONSUMO


Toda economia, seja ela real ou virtual, se sustenta no fluxo de moedas. O fluxo de moedas, por sua vez, só existe graças à louca mania humana de consumir, consumando-se, assim, como o elo da corrente monetária universal. Uau!

***

Existem, no comércio, dezenas e centenas e milhares de lojas diferentes. Tem aquelas especializadas em fantasias, outras em roupas de noivas, outros sex shops, outros vendem serviço (de todo gênero e grau), outros vendem eletroeletrônicos, bicicletas, jóias, comida... praticamente tudo o que existe no mundo se converte em produtos com valor agregado e, seja em qualquer confim deste planetão azul, existe uma loja prontinha para colocá-los na vitrina.
Mas existe um tipo de loja que atinge o coração do público, e não é aquela que vende apetrechos para pontes-de-safena. São os famosos 1,99, aqueles que a gente encontra em qualquer lugar com subprodutos do mundo da moda, versões não muito aproveitáveis, praticamente similares ao produto original, só que se quebram em 5 minutos. É que os 1,99 não vendem nada que tenha qualidade. Nada! É potinho de plástico brega, é tapetinho colorido, brinquedo que de despedaça, gravata azul vagabunda e doces vencidos e cancerígenos, entre muitos (e muitos) outros. E mesmo assim, à primeira vista inexplicavelmente, os 1,99 são febre... e eu sei o porquê. Porque ele vende baratinho uma coisa que todo mundo precisa: o prazer do consumo.

domingo, 7 de março de 2010

30 MINUTOS DE ORGASMO


Existem técnicas de yoga e meditação que fazem o homem alcançar o ápice do vazio mental. Os batimentos cardíacos e todo processo biofísico humano baixam suas taxas de atividade e a mente viaja, sem chão, ideias ou palavras, no imenso mundo do tempo. Iogues isolam-se nas cavernas para práticas de meses, anos, décadas de duração... Não teve aquele moleque encontrado embaixo de uma árvore meditando, ou coisa assim? Então... eu não falei? Tudo por causa da mente vazia.

***

Aos humanos não-iogues ou meditabundos, ainda há uma chance de encontrarem a mente vazia. E é uma chance boa, digamos assim. É que pesquisadores descobriram que o único momento... o exato instante em que o ser humano não consegue pensar em absolutamente nada é durante o orgasmo.

***

Felizes são os porcos.

MACACO CLASSE A


Eu sempre achei engraçadinho, aqui de longe, ver os macacos no frio do Japão entrarem e curtirem os ofurôs naturais que se formam Yamanouchi afora. Nós, humanos, compartilhamos 99% dos genes do macaco japonês (e 0% dos genes do amendoim japonês, mas isso é outra história), nossos primos, portanto, embora essas primas eu não atraque...
O fato é que o banho quente e prazeiroso das banheiras japonesas não é privilégio para qualquer macaco. Só macaco classe A. Sério! Os ofurôs são guardados por macacos classe B, que não permitem a entrada (nem os B desfrutam, imagine os C...) de outros macacos, exceto a elite macaquense.
E é aí que eu me questiono: é ação deste diacho de genética ou apenas mais uma história, a da neo-humanidade, sendo escrita? Talvez até pode ser o passado reacontecendo... Aquele macaco até pode ser um parente meu... Me lembra um tio de Santa Rosa... hummm... Mundo louco esse... mundo animal.

TSUNAMI DEMENTE


Ontem eu vi imagens impressionantes de tsunamis... o mar tomando conta de tudo, invadindo espaços, arrastando coisas e pessoas e, em minutos, destruindo construções e civilizações com décadas de concreto e teorias. Depois do estrago, o tsunami, como um cangaceiro, ia embora, deixando apenas vestígios de sua poderosa ação... deixando uma mensagem da incrível força da natureza... a única que ainda domina o homem que, ante sua manifestação, nada pode... fica minúsculo... perde todos seus conceitos.
Foi então que eu lembrei que a televisão é, também, um tsunami. E um dos mais perigosos, pois geralmente acontece nos lugares mais movimentados da casa. Sua onda é tão impressionante que alcança as localidades mais remotas do mundo, como Porto Mauá e Esquina Taquareira... pois é... pois é... pois é. E nem adianta subir morro pra escapar dela... pior ainda... lá ela te pega com maior intensidade.
Ela devassa culturas inteiras... destrói tudo o que ainda pode ser referência de beleza. E quando, ao apagar das luzes, a onda da TV vai embora, deixa seus rastros de fúria na mente... um lixão imaginário, espalhando por todos os cantos coisas inúteis.
Depois do encontro com a TV, poucos sobrevivem.

sábado, 6 de março de 2010

BUROCRATAS GOSTAM DE GUERRA


Pelo menos enquanto estiverem atrás das armas...

***

Então o "Gordo" Brown chegou de surpresa ao Afeganistão, para ver como seus homicidas estavam se comportando. Eles, com suas tatuagens de morte, batiam continência. Gordo Brown passava entre as fileiras, com o ego nas alturas... sentindo-se realmente importante. E de fato é, neste momento de caos, ele, Bush, Cheney, que acham que a paz se faz com guerra... é deles o mundo nefasto... é graças a eles que atrocidades continuam...

***

Contudo (e há contudo em tudo), o jogo será sempre empatado, energeticamente falando. A vibração emanada é a colheita obrigatória. A ignorância belicosa, os pseudopoderes do mundo... tudo o que nasce, apodrece e morre... e depois da morte, tudo se transmuta, como o fogo em fumaça e cinza, o corpo em carne e energia... mesmo que sejamos, no pós-vida, apenas um raio de luz a se expandir no universo... eles, os atrozes, serão a transmutação mais vil, condenada à mais putrefata dimensão, e lá restarão... como restam ruínas afegãs.

sexta-feira, 5 de março de 2010

PEPE LADO


Se dê o prazer de dormir sem meias.

CIDADE EM QUADRAS


A cidade é totalmente reta
As ruas, fazendo seus agás
Seus sustenidos... ao som de cada esquina
Outro orelhão...

A cidade parece torta
Quando não me vejo,
[ela anda rápido demais

A cada semáforo... outro semáforo
E o tempo pára
Num agora demorado

E meu espaço
Exatas palmas com que meus pés empurram o planeta
Numa direção gigante
De uma cidade tão pequena.

ABRA-SE O REGISTRO


Deve-se atentar não só à forma costumeira como deixamos e mantemos o registro da arte fechado... deve-se atentar à própria arte, disfarçada entre as nuvens da rotina, se fazendo de meros ladrilhos.
A arte não notada, não fluida, existe só pra ela, no mundo chato das ideias ainda não percebidas.
Deixemos abertas todas as torneiras da arte; deixemos que escorra entre as calçadas, pelas favelas, que caia no rio do mar da arte mundial, porque quando tudo acabar... daqui a 6 bilhões de anos o sol morre e eu não consigo saber se isso é muito ou pouco tempo... e quando toda humanidade acabar, chegará outra... num futuro (ou seria num passado?), e ela não encontrará nem internet, nem movimento de veículos... quase nada... algumas ruínas apenas e, dentro delas, pequenos registros artísticos... um quadro, um disco quebrado, uma pequena estatueta...
Só a arte será encontrada... porque só a arte é eterna.

quinta-feira, 4 de março de 2010

HOMEM CHEIO DE NADA


Conhece-se um homem pelos seus pequenos atos, não pelo que de fato manifesta sua boca louca... Falar até papagaio fala... Se o ato cria o criador, toda ação é reflexa... Somos não só o que pensamos, tampouco nossas circunstâncias, mas o mundo que realmente criamos ao nosso redor.
O vagão vazio é sempre o mais barulhento.

E-MORRÓIDA


Artigo da internet adverte: videogame pode levar ao vício.

GUERNICA


Pablo Picasso, Águia rítmica azul (kin 175), pintou Guernica, um painel que retratava como ficou a localidade espanhola homônima após o bombardeio nazista em 1937, durante a Guerra Civil daquele país: restos de pessoas, coisas e animais espalhados por todos os lados.
A obra foi emprestada ao Museu de Arte Moderna de Nova Iorque e só voltou à Espanha após o fim da ditadura Franquista. Em 1981, com a morte do ditador Francisco Franco, a obra voltou ao território espanhol, onde hoje reside no Centro de Arte Reina Sofía, em Madri.

***

Conta a lenda que um oficial nazista, ao apreciar a obra em NY, questionou Picasso:
Foi você quem fez?
E ele respondeu:
Não! Foram vocês, eu apenas pintei.

2012


Ultimamente, muitas pessoas estão pensando e opinando sobre uma data, um ano específico: 2012. Virou moda e filme hollywoodiano; muitos charlatões começaram a explorar este assunto, preferencialmente numa temática apocalíptica e terrorista.
Eu estudo o sincronário maia desde 2005 e sei que passei por louco muitas vezes... mas como de maia e de louco todo mundo tem um pouco, segui minhas pesquisas pessoais até hoje, quando encontrei um vídeo que resume tudo o que acredito ser o ápice da transformação da psique humana e que explica muito melhor o que eu diria em milhões de palavras.

***

O vídeo refere-se a um estudo de Daniel Pinchbeck e pode ser acessado no seguinte link: http://www.youtube.com/watch?v=tM9as4G4DzQ&feature=fvw
O texto, muito bem narrado e traduzido, foi transcrito e, abaixo, o reproduzo.

***

As mudanças climáticas estão acelerando. O derretimento das calotas polares está excedendo as predições mesmo de um ano ou dois atrás. Dentro de 30 anos, 25% de todas as espécies podem estar extintas. Nossa civilização, como a construímos, é completamente insustentável. Isso tudo nos confunde, pois nessa sociedade afluente, vivendo-se num mundo moderno, numa grande cidade, você ainda tem acesso a tudo o que quer: os peixes vêm parar direto no seu prato, você pode comprar todo tipo de tecido ou produto vindo de qualquer lugar do mundo... então é confuso começar a ler e se informar sobre essas primeiras mudanças que estão acontecendo no planeta.
O que eu comecei a concluir em minha pesquisa foi esse conceito de que o tempo é muito central à crise na qual estamos. É realmente interessante parar para pensar nas metáforas que usamos quando falamos sobre o tempo. Falamos sobre o desperdício do tempo, passar tempo, ter tempo suficiente, estar sem tempo, tempo é dinheiro... Estamos sempre falando sobre o tempo como se ele fosse algo comensurável e dimensional, que ele está na nossa frente e podemos de certa maneira alcançá-lo. Mas cada vez que tentamos alcançá-lo, ele não está mais lá.
De certa maneira, é muito irônico, porque se pensarmos sobre a finalidade inteira de criarmos a civilização industrial e aprendermos a fazer tudo isso com tecnologia e máquinas, seria de que pudéssemos ficar tranqüilos e relaxados... é quase como se tivessem nos “passado a perna”.
A interpretação atual das culturas indígenas e tribais é de que elas continuam sendo baseadas em mitos, lendas e superstição. Mas pode ser que as culturas como as dos maias e outras culturas indígenas tenham tido seu próprio sistema de conhecimento, tão significativo quanto o nosso, mas que apenas estivessem interessados em aspectos diferentes da realidade da existência humana.

***
Eu vim de uma educação secular materialista e freudiana, de um paradigma newtoniano e cartesiano, e eventualmente comecei a aceitar estar ignorando uma dimensão inteira da psique humana. Negligenciamos outras ideias ou mesmo pensar sobre elas. Pode-se demonstrar quantitativa e estatisticamente que a biosfera não está nada bem. Pode-se demonstrar quantitativa e estatisticamente que a nossa tecnologia continua a avançar e a mudar nossas possibilidades. Mas esse terceiro aspecto é sobre a nossa evolução psíquica: isso é algo que não pode ser comensurado ou compreendido estatisticamente. Alguém com pensamento puramente racional ou científico achará muito difícil aceitar que há algum tipo de mudança acontecendo na natureza da psique humana.
Em minha própria vida e na vida de muitas pessoas que conheço parece haver um aumento incrível na nossa percepção da sincronicidade. Então se você tem uma intenção sobre algo ou por exemplo tem algo em mente, você começa a ter um nível mais rápido de manifestação. É quase como se a separação entre o psíquico e o físico estivesse se tornando mais fina, mais permeável, mais sutil. A hipótese que desenvolvi em meu livro e que continuo a desenvolver é que estamos no ápice da descoberta de um novo nível de desenvolvimento da consciência humana. A maneira que vejo este período de agora até 2012 é como uma janela de oportunidades para catalisação da transformação da consciência global.

***

Nós temos uns cristãos fundamentalistas nos EUA que estão pensando sobre arrebatamento e apocalipse, mas tudo de uma maneira muito literal e negativa. O apocalipse significa, literalmente, revelação ou descoberta, ou seja, ao invés de ser destrutivo, ele é apenas o momento em que tudo vem à tona ou se torna disponível. Assim, esse processo apocalíptico seria a vinda do seu estado maior de ser à auto-realização consciente.

***

Muitas pessoas, confrontadas com o paradigma de 2012, podem se tornar passivas. Podem achar que se ficarem viajando, doidões, entrarem na onda do calendário maia, ou participarem uma vez ou outra de uma sessão de candomblé ou pajelança que serão salvos, que estarão numa boa quando a merda e o ventilador se encontrarem. A maneira de como eu vejo isso é totalmente diferente: eu acredito que a transformação da sociedade é responsabilidade de cada indivíduo perante a situação planetária e a reorientação de sua energia psíquica para o processo positivo de transformação. O filósofo Nietzche falou que “a ação cria o criador”, quase como uma reflexão. Então, é lidando com a situação que desencadeamos no planeta que chegamos a essa evolução da consciência humana; e se não lidarmos com essa situação, acabaremos em maus pedaços.
Como podemos fazer a transição para uma sociedade sustentável em tão pouco tempo e como podemos transformar tudo isso em algo positivo?


DANIEL PINCHBECK, autor de 2012 – A revolução de Quetzacoatl.

TIME ALONE


Time alone - oh, time will tell:
Think you're in heaven, but ya living in hell.

OVO OU GALINHA


Os grandes mistérios da humanidade não se restringem às pirâmides, ao pós-morte ou ao Big Bang. Existem outros que me intrigam, como o clássico: quem surgiu primeiro, o ovo ou a galinha?
Mas outros mistérios às vezes passam desapercebidos ao nosso cotidiano, como quem aceitou a primeira nota de dinheiro, quem testou o primeiro pára-quedas, quem fez a primeira pipoca, quem atendeu ao primeiro telefonema ou por que o durex não mela na parte de cima.

***

Mas, como tudo tem um contudo, creio que o grande mistério que entrelaça nossos minutos é o tempo... o tempo é o agora, eterno e quadridimensional. Vai do nunca pro sempre e se sucede por si mesmo, instantânea e infinitamente. É nele que o homem, como agente transformador, consegue alterar sua existência. E criar seus doidos enigmas também...
Enquanto o homem não perceber o agora, não adianta querer saber quem foi Tutankamón.

quarta-feira, 3 de março de 2010

ESPORTE É PAIXÃO

Eu sou um esportista nato. Quando o velho pai João emprenhou a mãe Ivanda, ele gritou goool. Quando ela me pariu, o médico fez uma grande defesa. Assim, desde moleque, sempre fiz e curti todos os tipos de esportes, do bafo ao tacobol, do cuspe em distância à briga de rua. Esporte é emoção, é vitalidade... diria até que esporte é romântico.

***

Até os anjos competem. Lúcifer mesmo... foi rebaixado à segundona celestial.

***

Assim sendo, acabei compilando imagens que demonstram a emocionalidade esportiva e comprovam que a paixão é o pano de fundo de todo e qualquer esporte.
Vamos a elas:

Começamos com esta clássica foto do jogador e capitão da seleção de Kosovo, Elso Putin, onde ele tenta, claramente, seduzir o zagueiro adversário.


Aqui, as lentes atentas capturam, em um treino de luta greco-romana da seleção do Peru, o treinador orientando o atleta a dar um golpe baixo chamado "5 x 1".


Basquete! Direto dos EUA, na jogada chamada "make me up", o craque Pissol Boket dá uma enterrada no adversário numa jogada muito "dura", digamos assim.


No rúgbi, o atleta Damis Bunde segura o oponente pelo rabo, enquanto que, (abaixo) em outra partida, Damis Bunde abraça o saudoso adversário depois de esperar meses e meses pelo clássico local.



No futebol americano, Paul MacCome ataca, sem entremeios, seu adversário Pink Anus. Não houve tempo (nem tentativa) de reação.


O futebol é realmente o esporte mais apaixonante, e é o de maior registro fotográfico sobre a paixão esportiva. Acima, Van Motel abraça seu parceiro Don Pinto. Despensa-se comentários extras.

Na mesma partida, outro flagra. O português Ronaldo Armando Pinto se assusta com a potência da cabeçada do colega, o grego Pratu Mattar.

Acima, câmeras fotografam um romance interracial e intercontinental. O africano Kaide Boka declara sua admiração pelo irlandês Chups Kedeuva.

Para finalizar este estudo sobre o romantismo esportivo, uma imagem que comprova que toda esta paixão não é coisa de hoje. Na foto, tirada na Copa de 50, aqui no Brasil, o polonês Garro Kamon acaricia seu colega de profissão, o búlgaro Stoy Kasbola Murch.

Sei que existem muitos mais registros de o quanto o esporte é emocional, mas encerro aqui porque está começando o jogo do Dínamo... E eu amo o Dínamo de paixão.

MAGRICELINHO NARIGUDO


Uma mulher no Rio ganhou na Justiça uma indenização de uma loja de sucos por ter sido chamada de "loirinha peituda". Na ação, sua advocacia alegou que o fato é humilhante e que ela fora "exposta a gracejo indesejável, que extravasou a seara do mero aborrecimento”. Ora bolas, por que razão então a cidadã encheu as tetas de silicone? Não era pra ser notada, a loirinha peituda? O que ela quer? Ser chamada de a morena dos peitos pequenos?
Imagine se eu me aborrecesse cada vez que me chamaram de narigudo ou orelhudo? E de magricela, então? Se eu acionasse cada pessoa que notou meus traços biofísicos, estaria milionário...

***

Se a gente já nasceu de uma gozação, brinquemos então.

- 8,06


Um estudo da Nasa afirma que, com o terremoto do Chile, houve uma modificação do eixo terrestre devido às massas deslocadas e, por consequência disso, cada dia durará 1,26 microssegundos a menos. Em 2004, o terremoto de magnitude 9,1 que gerou o tsunami no Oceano Índico reduziu o dia terrestre em 6,8 microssegundos... portanto, nossos dias, desde 2004, estão 8,06 microssegundos (se sou bom em matemática) mais curtos.
É claro que se trata de uma discussão muito mais ampla, que envolve sincronário maia, profecias, holística, enfim... pitacos sobre hiperaquecimento e fim de mundo... mas, para não abrir esta imensa janela, direcionarei esta postagem a outro lado, fazendo surgir uma questão impertinente: como 8,06 microssegundos alterarão meu cotidiano?
1. Terei que parar de fazer palavras cruzadas no banheiro...
2. Tomarei café da manhã em pé, vestindo a roupa ao mesmo tempo...
3. Criarei uma nova linguagem baseada em gírias e abreviações, para não perder tempo com a conversa...
4. Dormirei menos e cortarei as unhas a metade das vezes que atualmente corto...
5. Agora sim acho que paro de escovar os dentes...
6. Terminarei as postagens muito mais rapidamen

segunda-feira, 1 de março de 2010

A PLANTA


A planta,
Crescendo de dentro da planta,
Vai buscando o céu,
Vai abrindo o olho do broto que emerge
Cheio de terra transformada

Depois, a planta goza pólen pelos bichos
Goza com a cara de quem crê
Que o belo é plástico,
Que a vida é longa,
Que o mundo é seu...

Até que um dia
A planta, cansada de luz,
Fica murcha e morre
Como a senhora da cadeira de balanço
Que um dia cores,
Noutro beija-flores
E, por ora, fim.